Efeito reverso: quais os riscos de consumir suplementos sem praticar exercícios

 

Uso indiscriminado e consumo indevido podem comprometer os resultados da dieta e a saúde


Atualmente o uso de suplementos nutricionais vem sendo amplamente discutido, tanto por profissionais da saúde, quanto por estudiosos do gênero. O tema é pauta de pesquisas e debates que, muitas vezes, podem gerar conclusões controversas, no entanto, o mercado desses produtos cresce cada vez mais no Brasil e no mundo.

Um estudo realizado pela Associação Brasileira da Indústria de Alimentos para Fins Especiais e Congêneres (Abiad) em parceria com a Associação Brasileira das Empresas do Setor Fitoterápico, Suplemento Alimentar e de Promoção da Saúde (Abifisa) e a Associação Brasileira das Empresas de Produtos Nutricionais (Abenutri), revela que os alimentos enquadrados em suplementos alimentares fazem parte do cotidiano de mais de 54% dos brasileiros.


O número está entre os maiores do mundo e já se aproxima dos Estados Unidos, um dos maiores mercados do planeta, onde 68% da população faz uso destes produtos na rotina diária. Eles são muito procurados por aqueles que querem perder peso ou ganhar massa magra, mas seu poder vai mais além, pois eles também são utilizados para complementar os nutrientes que as pessoas, nem sempre, conseguem absorver através da alimentação, ou ainda, suprir a carência nutricional de organismos deficientes. Prova disso é que, de acordo com o estudo, o uso de suplementos varia conforme a faixa etária. Entre os consumidores mais jovens, por exemplo, o uso de suplementos voltados para a prática de esportes e exercícios físicos é maior, já entre os idosos os suplementos vitamínicos são mais frequentes.


Complemento nutricional em dietas deficientes


A má alimentação, devido à correria do dia a dia, e a preocupação com a saúde são umas das razões que levam ao consumo dos suplementos alimentares. Grande parte desses produtos é encontrada em forma de comprimidos, cápsulas e sachês, e os mais consumidos atualmente são o ômega 3, Multivitamínicos, Vitamina C e Cálcio. Segundo o nutricionista Willian Ribeiro, o uso de suplemento dissociado dos exercícios físicos é indicado quando há alguma carência de nutrientes no paciente.


“Os suplementos devem ser encarados como alimentos e não como princípio ativo, ou seja, um medicamento, pois sua proposta é de oferecer uma adequação nutricional. Vale lembrar que eles não substituem uma refeição balanceada, nem servem como compensação de um cardápio desequilibrado. A finalidade desses produtos é complementar a alimentação e, ao contrário de um medicamento, não tem objetivo de cura, eles auxiliam apenas no tratamento e manutenção da saúde” – explica o profissional da Nature Center.


Suplementos proteicos são os mais requisitados


Apesar de muitas pessoas recorrerem aos suplementos por questões de saúde, a maioria do seu público consumidor é composta por aqueles que querem modificar a composição corporal, seja para a perda de peso e medidas ou para fortalecer e aumentar a musculatura. Existe hoje no mercado diversos tipos de suplementos, mas, em muitos casos, eles possuem uma fórmula semelhante. Entre os mais comuns, usados pela maioria dos adeptos à academia e musculação, estão o famoso Whey Protein e o BCAA, que são formados basicamente por proteínas, mas possuem um baixo teor de gorduras, para diminuir suas calorias.


No entanto, Ribeiro alerta que esses produtos são indicados para quem pratica alguma atividade voltada para o ganho de massa magra, pois, esses suplementos aumentam a quantidade de proteínas no organismo, que se associam às fibras musculares, porém, é a atividade física quem promove a construção dos músculos: “Não adianta muito tomá-los sem fazer exercícios. Além disso, ainda é possível que gere o efeito contrário, ou seja, o aumento excessivo de peso, porque o corpo está ingerindo uma quantidade maior de energia, mas não está queimando o suficiente”.


O especialista afirma que suplementos proteicos dão resultados se utilizados de forma correta, como é o caso do Whey Protein, que ganhou fama devido à sua composição e praticidade. “Ele contém todos os 9 aminoácidos essenciais, aqueles que o corpo não é capaz de produzir sozinho, por isso é considerado uma proteína completa. Alguns alimentos, como quinoa, carne, ovos e derivados do leite também são proteínas completas. No entanto, é importante ressaltar que qualquer tipo de macro nutriente, seja gorduras, proteínas ou carboidratos, se consumidos em excesso, levarão ao ganho de peso, por isso a pratica de exercícios é fundamental” – acrescenta Ribeiro.


É preciso definir os objetivos


Outro ponto importante, antes de iniciar uma complementação alimentar, segundo o especialista, é ter um objetivo específico, pois, dificilmente, o produto que potencializa o ganho de massa muscular terá o mesmo efeito na redução de medidas e vice-versa. Ribeiro explica que eles agem de maneiras diferentes, enquanto um complementa o aporte de proteínas para a regeneração e crescimento dos músculos, outros promovem a aceleração do metabolismo e a queima de gorduras. Dependendo do caso, um pode inibir o efeito do outro, ou, até mesmo, atrapalhar os resultados, por isso, é preciso verificar o que se adequa mais ao treino e necessidades de cada um.


Termogênicos são uma boa opção, mas cuidado


Eles são os queridinhos de quem quer dar adeus as gordurinhas. Capazes de acelerar o processo de emagrecimento, eles estimulam o metabolismo a trabalhar constantemente em um ritmo maior, dessa forma o corpo gasta mais energia na digestão e utiliza suas reservas de gordura como fonte. Ribeiro afirma que os termogênicos também surtem um bom efeito naqueles que não praticam nenhuma atividade, no entanto, seu efeito é maior se aliado a uma alimentação e um treino adequados.


“O chá verde é um excelente termogênico, mas possui um sabor forte e amargo, por isso já é comercializado em capsulas. Outro bom exemplo é o chá de hibisco, que possui um sabor agradável e não precisa adoçar. Mas também temos outros alimentos que são muito potentes, como a pimenta vermelha, canele e gengibre, por exemplo” – explica Ribeiro. “No entanto, aquelas pessoas que já estão no peso ideal e visam ganhar massa magra devem evitar um grande consumo de alimentos com essas propriedades e focar naqueles que ofereçam proteínas e gorduras boas para alcançar seus objetivos”.

Energéticos naturais auxiliam os iniciantes


Para ambos os grupos, tanto o que quer emagrecer, quanto o que busca definição, vale apostar em suplementos que aumentem a energia. Mesmo aqueles que não praticam atividades físicas podem se beneficiar com esses produtos, mas o especialista alerta que é sempre preferível o uso dos naturais. Aqueles que contém cafeína são uma boa pedida, a alta concentração do nutriente faz com o que o metabolismo fique constantemente acelerado, favorecendo as dietas de emagrecimento e auxiliando no rendimento das atividades do dia a dia.


Mas, como sempre, os melhores resultados são obtidos em conjunto com exercícios físicos, pois a substância é capaz de melhorar o desempenho físico, reduzindo a percepção de esforço ao praticar um exercício, dessa forma a atividade parece mais fácil do que realmente é. A cafeína também poupa os estoques de glicogênio muscular, por isso, seu consumo, contribui para acelerar a queima de gordura.


O cardápio ainda é fundamental


O nutricionista explica, portanto, que os maiores benefícios dos suplementos nutricionais são decorrentes da interação com a prática de exercícios físicos e uma alimentação balanceada. É claro que uma pessoa pode conseguir todo o aporte nutricional que precisa apenas por meio da dieta, no entanto, como esses produtos são administrados estrategicamente, eles conseguem potencializar os resultados. “Para isso, aqueles que desejam iniciar essa complementação devem verificar os nutrientes que constituem cada um para identificar o que mais se adequa aos hábitos dela, e ainda quais são as doses diárias que devem ser consumidas, para evitar os efeitos colaterais do excesso de proteínas no corpo, por exemplo”.


O nutricionista ainda explica que, se os suplementos forem consumidos indiscriminadamente, podem gerar um mau funcionamento nas atividades dos rins e do coração. Outros efeitos colaterais indesejados são o suor excessivo, insônia, dor e cansaço e batimento cardíaco acima do normal. “É preciso lembrar que a forma mais segura de consumir esses produtos é através da orientação de um médico ou um nutricionista, pois, ao mesmo tempo em que eles podem ajudar, esses suplementos também podem fazer mal à saúde, se tomados da maneira incorreta. Só um especialista poderá indicar o mais indicado e as doses necessárias para cada pessoa” – finaliza Ribeiro.

 

 

Fonte: Nature Center



 




 

 

 

 

A APARÊNCIA DOS ALIMENTOS É IGUAL AOS ÓRGÃOS QUE ELES CURAM


1. Tomate faz bem pro coração

 

Como esta fruta (sim, o tomate é considerado uma fruta) é rica em potássio e ferro, sua importância está especialmente ligada com o coração e o sangue.




 

2. Noz faz bem pro cérebro

 

As nozes são simétricas e possuem dobras iguaizinhas às do nosso cérebro. São ricas dos nutrientes que são mais importantes para o bom funcionamento cerebral.



 

3. Aipo faz bem pros ossos

 

O aipo (ou salsão) garante ossos mais fortes pois possui 23% de sódio de boa qualidade. Os ossos possuem também 23% de sódio. Quando a dieta é baixa em sódio de boa qualidade (entenda-se “boa qualidade” como sódio não proveniente de sal refinado), o organismo começa pegar sódio dos ossos, o que deixa eles fracos.




4. Abacate faz bem pro útero

 

Se toda mulher comesse, ao menos, um abacate por semana poderiam evitar doenças sérias. O abacate protege e equilibra os hormônios, evitando as chances de câncer de útero ou ovário. Também ajuda a perder peso depois da gravidez. Outra “coincidencia”? Leva também 9 meses desde o florescer da árvore até um abacate virar fruto.



 

5. Batata-doce faz bem pro pâncreas

 

 

 

A batata-doce oferece benefícios ao pâncreas e equilibram o nível de açúcar no sangue.





 

6. Cenoura faz bem pros olhos

 

 

A cenoura aumenta o fluxo sanguíneo em direção aos olhos e melhora o funcionamento dos mesmos.



 

 

7. Laranjas fazem bem pros seios

 

A laranja é capaz de prevenir o câncer e ajuda o movimento da linfa na mama.




 


8. Gengibre faz bem pro estômago

 

O gengibre evita doenças no estômago e melhora a digestão graças às suas enzimas e evita câimbras fortes. Além disso, impede úlcera e mantém a mucosa em bom estado.





9. Cogumelo faz bem pros ouvidos

 

O consumo de cogumelos pode prevenir a perda de audição, pois eles são um dos raros alimentos que contêm vitamina D, excelente para essa prevenção.



 

10. Feijão faz bem pros rins

 

O feijão ajuda a manter as funções dos rins ativas e adequadas.







Luiza Fletcher

Fonte: Yogui.co


 



 

 

 

4 mitos que impedem as pessoas de consumir vinho

Sommelier internacional e especialista em harmonizações explica as mentiras que foram criadas sobre o vinho e prova que a bebida milenar pode ser mais popular do que a maioria pensa


Muitas pessoas mantêm em casa apenas uma ou duas garrafas de vinho para beber em ocasiões especiais, mas o especialista em harmonizações Rodrigo Bertin, explica que o vinho não precisa ser uma bebida exclusiva para estes momentos. “Ao contrário do que a maioria pensa, o vinho pode ser uma bebida barata que combina com todas as refeições e ocasiões”, explica o especialista. “Mas ao longo dos anos, foram criados alguns mitos sobre o vinho que precisam ser rebatidos”, conta, antes de listar os 4 mitos mais comuns que impedem as pessoas de aproveitarem melhor os pequenos momentos de prazer da vida.

 

Mito 1: vinho é uma bebida cara

Segundo Rodrigo Bertin, consumir vinho pode ter um custo mais baixo que outras bebidas. Levando em consideração que o consumo médio por pessoa em uma refeição, por exemplo, é de meia garrafa, o especialista conta que o custo fica bastante acessível. “Se considerarmos que existem opções muito interessantes e de boa qualidade por menos de R$ 30, então um casal pode apreciar um vinho com apenas 15 reais”, explica, destacando que o preço do vinho não precisa ser caro para que ele seja bom.

 

Mito 2: beber vinho é uma atividade complexa e cheia de regras

Contrariando o conceito de que é necessário entender de vinho para consumir, Rodrigo Bertin ensina que a melhor forma de definir se um vinho é bom ou ruim é experimentando. “A partir do momento em que você abre a garrafa e gosta, consumir é o mais fácil: é só beber”, brinca. “As pessoas acham que precisam seguir muitas regras, e que vão estragar a experiência se não consumirem o vinho do jeito certo. Mas na verdade, grande parte dos vinhos do mercado são versáteis e podem ser consumidos de várias maneiras, e combinam com comidas simples do nosso dia a dia”, completa.

 

Mito 3: vinho é uma bebida para ocasiões especiais

Mais uma vez, Rodrigo Bertin contraria a ideia de que a garrafa de vinho deve ser aberta apenas naquele jantar especial ou na festa para celebrar algo importante. “Quem gosta de vinho consegue incluí-lo em ocasiões simples e do cotidiano, como o passeio na praia ou o churrasco com os amigos, ou até mesmo assistindo a um filme”, provoca o especialista. “Carne, petiscos e pipoca são alguns dos alimentos que harmonizam perfeitamente com diferentes tipos de vinho”.

 

Mito 4: consumir vinho dá dor de cabeça e ressaca

Vinho não dá ressaca e nem dor de cabeça. É o que afirma o sommelier. “O que dá ressaca são aqueles vinhos muito suaves e muito doces, porque eles geralmente recebem um acréscimo de açúcar que vai além do que já está presente na uva”, explica. Segundo o especialista, vinhos com muito açúcar também tendem a ser consumidos em maior quantidade. “As pessoas também não tem o costume de beber água junto com o vinho, e esse é o segredo: intercalar com alguns goles de água”, sugere.

 

 

 

 




 

 

6 passos para cultivar girassóis em casa



Apesar de ser mais comum em estações mais quentes, a florescência do girassol pode acontecer em qualquer época que apresente temperatura entre 18ºC e 30°C – o que torna o outono uma ótima época de cultivo. Além da beleza, outro bom motivo para ter a flor do sol  no jardim é que ela oferece um fruto seco, chamado de cipsela, cujas sementes podem ser apreciadas em diversas receitas cruas ou assadas e ainda são usadas na extração de óleo vegetal. Já pensou ter tudo isso ao alcance das mãos? Para te ajudar, a Giuliana Flores separou algumas dicas de como cuidar da espécie em casa. Confira o passo a passo:
 

  1. O primeiro passo é a escolha do recipiente, que deve levar em conta o tamanho da planta. Vasos entre 30 cm e 40 cm e jardineiras de janela são mais recomendados para girassóis anões, enquanto as espécies maiores pedem vasos de 18 a 20 litros;
  2. Em seguida, atenção à drenagem. Para que ocorra facilmente, adicione no fundo pedras, cascalhos, pedaços de terracotas ou pequenas espumas de poliestireno;
  3. Para garantir que o girassol se desenvolva com saúde, misture compostagem e solo comercial até alcançar 2,5 cm do topo do recipiente e umedeça bem;
  4. Também é recomendado adicionar cristais de retenção de água para garantir que os girassóis disponham da quantidade adequada, além de reduzir as regas;
  5. Outro ponto importante é a distribuição das sementes, que devem ser semeadas em quantidades de no mínimo duas e no máximo 10 sempre em pares. Para cada uma, despeje 25 ml de água;
  6. Repita a rega a cada dois dias para se certificar de que o solo permanecerá úmido até ocorrer a germinação, o que deve ocorrer entre três e oito dias.

 

Dicas e cuidados
Para que os girassóis continuem fortes e bonitos por muito tempo, alguns cuidados simples são necessários. Enquanto a planta cresce, corte as mudas fracas, doentes ou com má formação. Atente-se também ao espaço que a flor ocupa: quando for maior que o vaso, é hora de transferir para um local amplo, para não interferir na expansão. Coloque os girassóis em uma área ensolarada, posicionado na direção do sol – parapeitos de janelas são os mais indicados para o cultivo dentro de casa ou em apartamentos sem sacadas.

 

 

www.giulianaflores.com.br

 

 

 



 

 

 

Conheça a dança que combate o stress, a depressão e melhora a coordenação motora

Atua no desenvolvimento dos sentidos, fortalece a feminilidade,

combate o stress e a depressão, afirma professora

 

 

A dança do ventre é uma das danças mais antigas da humanidade e também uma das mais conhecidas em todo o mundo. Ela sempre atrai a atenção do público e tem uma legião de praticantes, porém, o que poucas pessoas sabem é que ela também traz muitos benefícios à saúde.

 

Segundo a coreógrafa, bailarina e professora Shalimar Mattar, que possui uma tradicional escola de dança árabe em São Paulo, os benefícios da Dança do Ventre são inúmeros, pois ela trabalha todas as partes do corpo, da ponta dos pés ao topo da cabeça, o que exige um bom trabalho postural e equilíbrio. 

 

A dança massageia os órgãos internos e colabora com a coordenação e agilidade. “Atua no desenvolvimento dos sentidos, fortalece a feminilidade, combate o stress e a depressão. Favorece o autoconhecimento, aumentando a autoestima e confiança pessoal”, diz.

 

Shalimar aborda todos benefícios no seu livro ‘Círculo Mulher’, e diz que a tradicional dança árabe vai além da arte e pode nos ajudar a envelhecer com mais felicidade, pois, de acordo com ela, “ajuda a trabalhar a feminilidade, a essência, a delicadeza e a força da mulher. O livro, por exemplo, traz sugestões de como trabalhar o equilíbrio, para que a gente possa sempre estar em sintonia com a felicidade”, conta.

 

Ainda, segundo a professora, qualquer pessoa que esteja em boas condições de saúde e com liberação médica, pode praticar a dança do ventre independentemente da idade. “Você pode começar em qualquer idade, desde que procure um professor gabaritado, que pode ministrar aulas para crianças e até mesmo para a terceira idade”.

 

Popular no Brasil

 

De acordo com Shalimar, a mulher brasileira tem muita afinidade com a dança do ventre por várias razões. Em primeiro lugar é porque tanto o samba quanto a dança do ventre egípcia tem como berço o continente africano. “Podemos dizer que são primas. Existem muitas semelhanças principalmente na parte percussiva, assim como o destaque para os movimentos dos quadris, a energia da dança e principalmente a valorização do estilo pessoal da dançarina, pois nestas duas modalidades o mais importante é exteriorizar sua essência”, explica.

 

Outro motivo é que a dança do ventre é extremamente rica e existem muitas formas de executá-la em diferentes tipos de músicas. “Temos a dança tradicional, a rotina clássica, moderna, fusões e ainda a utilização de uma série de materiais e tudo isso torna esta dança muito interessante, porque dificilmente alguém não vai se identificar com ao menos um desses diferentes estilos”, afirma.

 

A professora ainda explica que a essência primordial da dança do ventre vem de uma base primitiva dos povos das cavernas e ela atravessou séculos se aprimorando, modificando e enriquecendo, mas sempre mantendo o sagrado feminino como ponto primordial. “Enfim, é uma dança que seduz a todos pela sua técnica, expressividade, desenvoltura e sentimento”, conclui Shalimar Mattar.

 

 

 

 



 

 

 

 

10 Plantas Que Agem Como Inseticidas Naturais!


Você tem um lindo quintal com jardim e quer fazer um almoço em família, ou até mesmo uma festa para os amigos. O problema é quando convidados indesejáveis como moscas, mosquitos, pernilongos, baratas e outros insetos resolvem participar do evento. É muito desagradável, todos nós sabemos.Você pode até utilizar pesticidas e inseticidas que resolvem o problema, mas é uma resolução passageira, pois você aplica esses produtos algumas vezes e, passado o efeito, os insetos voltam. Além disso, inseticidas fazem muito mal à sua saúde e é especialmente perigoso para quem tem crianças e animais de estimação.

 

Uma forma eficaz de acabar com esse problema é com as plantas. Isso mesmo. Você vai se surpreender com essa descoberta que fizemos. São dez plantas que, além de eficazes para acabar com insetos, são lindas, aromáticas e vão enfeitar a sua casa, o seu quintal e jardim! E algumas elas ainda podem ser utilizadas como temperos! Colocar algumas delas em locais estratégicos vai te ajudar a te livrar dos indesejáveis insetos. Veja agora quais são.

 

 

1. Petúnia

 

 

Se você tem um jardim, plante algumas petúnias, ou coloque um ou mais vasinhos próximos à janela. Elas gostam da luz do sol, então saiba qual o melhor lugar para plantá-la ou deixá-la dentro de casa. Além de muito bonita, a petúnia é um repelente natural e manda embora insetos como besouros, pulgões e percevejos.

 

 



2. Manjericão

 

O manjericão é uma das ervas mais incríveis que existem. Versátil, aromática e saborosa, também é ótima para acabar com mosquitos, pois a planta contém um óleo natural que mata os ovos plantados por esses insetos. É muito fácil. Basta deixar vasinhos de manjericão na casa, pode ser na cozinha, no quintal, ou plantar no seu jardim. E você ainda pode utilizá-lo para cozinhar sem problemas.

 


3. Malmequer

 

 

Apenas os insetos não querem esta linda flor perto deles. Você pode plantar qualquer tipo de malmequer em diversas áreas do seu quintal ou jardim, pois sua eficácia para acabar com os insetos é garantida. Fazendeiros gostam de tê-las em plantações e hortas para acabar principalmente com mosquitos e pulgões. Só uma dica: plante em um lugar com muito sol, pois o malmequer precisa de luz solar.

 

 

4. Lavanda

 

 

Além de muito utilizada na indústria cosmética e perfumaria, a lavanda também é aplicada na culinária. O aroma da lavanda para nós humanos é maravilhoso, mas os insetos detestam, principalmente, moscas, traças e mosquitos.


 


5. Alecrim

 

 

Esta planta maravilhosa confere um incrível sabor e aroma aos pratos. O chá de alecrim tem propriedades anti-inflamatórias e que ajudam a combater depressão. O que muitos não sabem é que ela é eficaz para espantar mosquitos. Basta plantá-la no seu quintal ou jardim ou manter vasos de alecrim por perto.

 

 

6. Hortelã

 

 

Aromático e refrescante, o hortelã também é ótimo para repelir insetos, principalmente os que picam. É ótimo mantê-lo por perto em eventos ao ar livre para evitar que insetos se aproximem e machuque seus convidados. Uma dica: é melhor deixá-lo em vasos, pois, caso queira plantá-lo, o hortelã cresce e espalha com facilidade.

 

 

7. Nepenta

 

 

Esta planta contém uma substância chamada nepetalactona, que tem um efeito singular nos gatos, causando-lhes uma sensação de euforia. Pode ser pouco conhecida se você não é adepto da jardinagem, mas com certeza irá procurá-la para afastar insetos, principalmente se quer distância das temidas baratas!

 

 

8. Crisântemo

 

 

Esta linda flor tem um composto natural chamado piretrina, que tem fortes propriedades inseticidas. A boa notícia é que você não precisa comprar inseticidas que contenham piretrina. Basta plantar crisântemos no seu jardim. Além de muito bonitas, essas flores mantém longe mosquitos, besouros, baratas e carrapatos.

 

9. Allium

 

 

Esta planta pertence ao mesmo grupo botânico do alho, cebolinha, cebola e alho-poró. Não é muito conhecida, embora seu óleo essencial seja utilizado para fins terapêuticos na aromaterapia. Ao plantá-la, você verá crescer lindas flores púrpuras que manterão seu jardim longe de moscas e lesmas. Mas atenção: fique atento caso tenha animais de estimação em casa, pois trata-se de uma planta tóxica para os animais.

 

 

10. Capim-limão

 

 

O chá do saboroso e aromático capim-limão faz muito bem para a saúde, com propriedades que aliviam ansiedade e depressão. A planta contém um óleo natural chamado citronela, que espanta os insetos. Plante-o em um área com bastante sol e você verá o capim-limão crescer rapidamente. Além de espantar esses bichinhos desagradáveis, você ainda pode utilizá-lo para prepara um delicioso chá.  

 

 

Fonte: www.tudoporemail.com.br