Entenda a importância do óleo do tipo ômega 3 para a sua saúde

 

Os registros apontam que a descoberta dos benefícios do ômega 3 teria ocorrido na década de 70, quando pesquisadores dinamarqueses verificaram que os esquimós (povos residentes em torno do Círculo Polar Ártico) apresentavam baixo índice de doenças cardiovasculares, apesar de consumirem uma quantidade razoável de gordura. Seria a genética perfeita? De acordo com a constatação, o segredo estaria no tipo de gordura ingerida, formada por ácidos graxos poli-insaturados do tipo ômega 3, o eicosapentaenoico (EPA) e o docosaexaenoico (DHA).


Trata-se de uma espécie de óleo encontrado principalmente nos peixes gordurosos. Daí o fato de os esquimós serem um grupo privilegiado, já que têm o peixe como ingrediente certo na dieta diária. Não que estejam livres de patologias, mas se mostram mais protegidos. Seria possível a gordura – antes considerada a inimiga número um da boa forma e da saúde – tornar-se forte aliada? Sim. Neste caso, é uma gordura boa.


A Associação Americana do Coração (AHA) admite a importância da ingestão do ômega 3 para o bom funcionamento do corpo e o recomenda como parte de uma dieta saudável. Como o ser humano não produz a substância, precisa ingeri-la nos alimentos. As mais ricas fontes de ômega 3 são de origem animal, principalmente os peixes gordurosos, mas também está presente em menor quantidade em outros animais criados soltos e que comem pasto e nos ovos de galinhas caipira. Entre os peixes mais “gordos”, vale destacar o atum, salmão selvagem, sardinha, bacalhau, cavalinha e ainda alguns crustáceos.


Quem não é adepto desse tipo de cardápio pode escolher a suplementação com cápsulas de ômega 3, o EPA e o DHA. Nesse caso, no entanto, a situação se torna mais delicada e complexa.


Isso ocorre porque as gorduras poli-insaturadas do tipo ômega 3 são frágeis, ou seja, sofrem uma degradação ou oxidação natural quando expostas ao calor ou à luz solar, o que as torna danificadas e não tão benéficas. É como se estivessem estragadas. Por isso, é difícil confiar em grande parte das cápsulas de ômega 3 existentes no mercado. O óleo de fígado de bacalhau puro e bem armazenado seria uma opção, mas também muito pouco disponível no Brasil.


Os alimentos de origem vegetal não contêm o ômega 3 já pronto para uso pelo organismo, ou seja, eles contêm apenas precursores que o corpo irá utilizar para produzir seu próprio EPA e DHA. No entanto, essa conversão depende de vários cofatores e de um metabolismo saudável e eficiente nesse tipo de reação, o que nem sempre ocorre. Portanto, alimentos como a linhaça, as oleaginosas e outros vegetais não são fontes diretas de EPA e DHA.


E qual seria o precioso papel do ômega 3 para o ser humano? Uma das principais funções é participar da linha de produção de substâncias chamadas eicosanoides (presentes nas células), que podem ser inflamatórias ou anti-inflamatórias. Quando provenientes do ômega 3, elas são mais anti-inflamatórias e contribuem para balancear a inflamação. Hoje em dia, sabemos que a inflamação tem função essencial no desenvolvimento de doenças, como o infarto agudo do miocárdio (IAM) e o acidente vascular cerebral (AVC).


O suplemento de ômega 3 em cápsulas, na forma de EPA e DHA, pode ser comprado sem receita médica. No entanto, por tudo o que foi exposto, o melhor é consultar o cardiologista para decidir junto com ele a real necessidade de uso, a dosagem mais adequada e se é necessário mesmo suplementar com cápsulas, devido à preocupação com a procedência do produto e a maneira como foi armazenado. Por isso, na dúvida, o ideal seria acrescentar os alimentos ricos em ômega 3 na alimentação e comer peixes como a sardinha pelo menos duas a três vezes por semana.


Saiba ainda algumas curiosidades:


1) O melhor ômega 3 está no salmão selvagem, encontrado no oceano, ao norte, em águas bem frias.


2) Quando o salmão é criado em cativeiro e alimentado de ração, a quantidade de ômega 3 encontrada nele não é a mesma que a existente na espécie que vive no mar.


3) Quer garantir maior absorção de ômega 3? Então consuma o peixe cozido ou assado. Quando ele é frito em altas temperaturas perde as propriedades e as vantagens não são mais as mesmas.


4) O óleo de peixe ômega 3 tem sido indicado para combater problemas emocionais como reduzir ansiedade, depressão, tristeza e inquietações.


5) Há indicações também para fortalecer cabelos, unhas e aliviar os incômodos provocados pela Tensão Pré-Menstrual, a famosa TPM.


6) Outra finalidade é ajudar a abaixar a pressão arterial, principalmente de pessoas com mais de 40 anos.


7) O governo alemão entende que a substância é tão importante que recomenda o uso do ômega 3 na gestação, com o objetivo de ajudar na formação adequada do cérebro do feto.

 



Dr. Fausto Stauffer - Formou-se em Medicina, pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), em 2004. Logo veio a preferência pela Cardiologia, área que escolheu para realizar a especialização, pela Santa Casa de Misericórdia do Rio de Janeiro. Em seguida, veio o doutorado em Bioquímica Médica, também pela UFRJ.

O Dr. Fausto Stauffer tornou-se especialista pela Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC), fez doutorado em Ciências da Saúde, pela UFRJ e é Pós-doutorando pela Universidade de Brasília (UnB).

Atualmente é pesquisador colaborador da Universidade de Brasília e atua como cardiologista dos Hospitais Santa Helena e Santa Lúcia, localizados em Brasília

 




CONHEÇA SEIS ALIMENTOS QUE AUMENTAM A IMUNIDADE DO ORGANISMO


Pelo fato de ocorrer maior incidência de doenças no inverno, turbinar o sistema imunológico durante o período é fundamental

 

Além de ser marcado pelo consumo de saborosas sopas, fondues e caldos, o inverno também é tempo de maior incidência de gripes, resfriados e até doenças mais graves, como a pneumonia. Portanto, nesse período, turbinar o sistema imunológico é uma ótima saída para evitar tais desconfortos que podem resultar em desagradáveis “dias de cama”. Porém, para tanto, é fundamental ter boas noites de sono, fazer exercícios físicos, controlar o estresse e, sobretudo, ter uma boa alimentação.

 

Segundo Cyntia Maureen, nutricionista e consultora da Superbom, empresa alimentícia especializada na fabricação de produtos saudáveis, itens ricos em vitaminas e antioxidantes não podem ficar fora da dieta. “O aspecto preventivo deve ser a palavra de ordem, principalmente no inverno. Diante de tal premissa, a alimentação possui papel fundamental. É preciso resistir às tentações do consumo excessivo de opções calóricas e açucaradas e priorizar as mais funcionais”, afirma.

 

Abaixo, a especialista listou alguns alimentos imprescindíveis para quem deseja ficar com a imunidade em dia durante o inverno.

 

Confira!

 

Frutas cítricas:

Pelo fato de serem ricas em vitamina C, as frutas cítricas são conhecidas amigas da imunidade.  “A vitamina C atua como antioxidante, contribui para o melhor desempenho físico e otimiza a absorção do ferro pelo organismo. Por conta de tais fatores é muito importante para elevar e imunidade e, consequentemente, prevenir gripes e resfriados”, explica a nutricionista.

 

Vegetais verde-escuros

São fontes importantes de vitaminas A, B6 e Ferro, que possuem papel relevante na maturação das células imunes, ajudando na resistência às infecções. “Também são ricos em ácido fólico, nutriente que participa da formação de glóbulos brancos, responsáveis pela defesa do organismo", complementa Cyntia.

 

Mel

Além de ser delicioso, o mel tem ação bactericida e antisséptica e contém substâncias que agem como antibióticos naturais. “É um alimento que auxilia no tratamento e na prevenção de problemas pulmonares e de garganta. Ainda conta com vitaminas A, B1, B2, B3, B5, B6, C e Biotina”, informa.

 

Gengibre

A especialista explica que o gengibre auxilia na defesa do organismo, uma vez que  possui importante ação bactericida e doses consideráveis de vitamina B6 e C. “Uma boa alternativa de consumo é adicionar o gengibre em sucos integrais e chás”, recomenda.

 

Cogumelo Shitake

De acordo com a consultora da Superbom, o shitake é importante na prevenção de gripes e resfriados “Isso porque ele é rico em uma substância que é imunoestimulante, ou seja, que aumenta a produção das células de defesa do organismo. Em função das suas propriedades terapêuticas, é consumido há milênios”.

 

Alho

Ótima opção de tempero, o alho é fonte de aliina e alicina, substâncias de potente ação antioxidante. “Previne gripes e atua no combate a infecções e inflamações. Ele pode ser utilizado para dar aquele sabor a mais em diversos alimentos, como feijão, sopas, saladas, entre outros”, conclui Cyntia, consultora da Superbom.

 

 

 


Intestino preguiçoso: Saiba quais alimentos consumir para evitar esse mal e ter uma vida saudável

 

Escolhas adequadas podem prevenir e combater essa complicação que compromete o bem-estar e a saúde de milhares de pessoas.


Quem sofre de prisão de ventre sabe o quanto esse problema pode atrapalhar a rotina. O abdômen fica inchado e dolorido, o humor fica péssimo e cada visita ao banheiro é um verdadeiro desafio (muitas vezes longo e frustrado). E por mais corriqueiro que o distúrbio possa parecer, a constipação intestinal inspira cuidados: quando o corpo não consegue “eliminar” regularmente as fezes, toxinas se acumulam no organismo, causando vários prejuízos à saúde. Felizmente, em muitos casos é possível contornar e, até mesmo, prevenir o problema por meio de mudanças simples, especialmente quando o causador do intestino preguiçoso é a má qualidade da dieta. Certos alimentos são verdadeiros aliados na hora de combater a prisão de ventre e são essenciais para deixar tudo novamente no ritmo. Quer saber mais? Então confira:


Devagar quase parando


Embora muitas pessoas associem apenas a baixa frequência das evacuações ao problema, a principal característica da prisão de ventre é a resistência do bolo fecal, ou seja, quando o ato de evacuar requer muito esforço, é pouco produtivo, causando, até mesmo, dores. Isso acontece, pois as fezes estão ressecadas e se movimentam com muita dificuldade no trato gastrointestinal. Contudo, essa característica também faz com que os intervalos entre uma evacuação e outra se prolonguem, provocando inúmeros sintomas desagradáveis. Ainda que possa ser desencadeada por diversos fatores, a causa mais comum da constipação é, sem dúvidas, a alimentação desequilibrada – sobretudo pobre em fibras.


E esse problema é mais comum do que se imagina: de acordo com a Análise do Consumo Alimentar Pessoal no Brasil do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), 68% da população consome quantidades insuficientes de fibras. Cenário que poderia ser revertido com pequenas mudanças, de acordo com a nutricionista Gabriela Domingues “Com o aproveitamento integral, ou mais próximo possível disso, de frutas, legumes e verduras, além de uma boa hidratação. Geralmente desprezamos cascas, talos e folhas e é justamente nessas estruturas que estão a maior parte das fibras. Mas não é só isso, atualmente há um consumo elevado de alimentos que irritam o intestino, além de baixa ingestão de água – uma combinação nada amigável para o intestino”.


Três cuidados básicos


De acordo com a especialista da Nova Nutrii, preservar o hábito intestinal regular depende, principalmente, do equilíbrio de três itens da dieta: uma boa hidratação, uma quantidade adequada de fibras e um bom aporte de nutrientes. Isso porque cada um desses fatores contribui para o fluxo das fezes no intestino:


Sede de quê?


A água, por exemplo, é essencial quando o alimento ingerido chega ao intestino grosso: nessa etapa inicia-se a formação do bolo fecal e durante todo esse processo, os dejetos absorvem líquidos enquanto são empurrados até o reto pelas contrações musculares do intestino. Portanto, quem sofre de constipação precisa, beber muita água: “Se o indivíduo não se hidrata adequadamente, as fezes ficam ressecadas e, consequentemente, mais difíceis de serem eliminadas. Por isso, o primeiro hábito a ser corrigido é atentar para a hidratação. Não só a quantidade ingerida, mas a regularidade, lembrando-se de beber água várias vezes ao dia”.  – explica Domingues.


Fibra – um santo remédio!


Embora não sejam propriamente nutrientes, esses elementos tem um papel fundamental no trânsito intestinal: dar corpo e mobilidades às fezes. Presente na parte mais resistente dos vegetais, as fibras não são totalmente digeridas pelo organismo e ao passarem pelo sistema gastrointestinal carregam consigo toxinas e outros agentes nocivos, ajudando na sua eliminação. Como nesse processo também absorvem água, ajudam a acelerar a eliminação das fezes, desde que haja também, uma boa hidratação, alerta a nutricionista: “A quantidade recomendada de fibras varia muito de pessoa para a pessoa, mas uma forma de não errar é consumir diariamente uma variedade de frutas, verduras, legumes. Contudo, é preciso atentar para alguns pontos: preservar, sempre que possível, cascas, folhas e talos; além de optar por cereais e grãos integrais. Também é fundamental preservar a hidratação, bebendo água ao longo do dia, senão o efeito da ingestão de fibras pode ser contrário!”.


Aposte na comida de verdade


O terceiro cuidado básico é apostar ao máximo em “comida de verdade”, ou seja, fugir dos industrializados na hora de compor o cardápio. Isso porque, de acordo com Gabriela “Uma dieta rica em alimentos refinados, que possuem alta concentração de químicos e corantes desestabiliza a colônia de microrganismos que existe no intestino, mais conhecida como flora intestinal. Além de propiciar disfunções como a constipação, o desequilíbrio da microbiota enfraquece o organismo, deixando-o mais vulnerável à inflamações. Por outro lado, uma dieta abundante em alimentos naturais fornece o que o corpo precisa: vitaminas, minerais, antioxidantes e, principalmente fibras que podem, até mesmo, ajudar na proliferação das boas bactérias no intestino, ajudando a regular o trabalho do órgão”.


Os melhores alimentos para tratar a constipação


Ameixa: rica em fibras solúveis – presentes principalmente na sua polpa, e insolúveis, concentradas na casca do alimento, melhora o trânsito das fezes por aumentar a absorção de água durante a formação do bolo fecal. As fibras insolúveis ajudam a equilibrar a flora e melhorar o contingente de bactérias benéficas do trato gastrointestinal. Contudo, sua capacidade laxativa é, sem dúvidas, a característica mais vantajosa: a fruta é rica em sorbitol, uma substância que não só aumenta a absorção de água durante a digestão como também ajuda a “amolecer” as fezes, facilitando a evacuação. Qual tipo apostar? “Qualquer tipo de ameixa possui essas características, contudo, do ponto de vista nutricional, a ameixa preta é a mais recomendada, pois tem maior concentração de compostos fenólicos – antioxidantes capazes de beneficiar o organismo em diversos aspectos. Independente da escolha, o mais importante é consumir a fruta na forma integral, com polpa e casca; se optar por um suco, evitar coar, para que absorção das fibras seja mais eficaz.”. 


Alho: esse alimento tão comum é rico em inulina, uma fibra que serve de “alimento” para as bactérias amigas do intestino, ajudando a aumentar seu número. Além disso, acelera o trânsito das fezes, pois seu processo de fermentação no trato gastrointestinal estimula a absorção de água e o aumento do bolo fecal. Contudo, o que fazer quando o alho não é lá o tempero favorito? “Pessoas que sofrem de constipação e desejam aumentar o consumo de inulina podem apostar em outros vegetais como, por exemplo, a cebola, o alho-poró, o alcachofra, a chicória e até mesmo a banana. Outra opção de consumo é inulina na forma de fibras dietéticas sintéticas, que podem ser adicionadas nos alimentos sem influenciar na cor ou sabor dos pratos”. – indica Domingues.


Mamão: outro alimento famoso quando o assunto é hábito intestinal, o mamão, especialmente o papaia, é rico tanto em fibras solúveis, que ajudam a “irrigar” o bolo fecal, quanto em fibras insolúveis que, por sua vez, ajudam a dar “volume” às fezes. Contudo, o grande diferencial dessa fruta é sua concentração de papaína, uma enzima digestiva que auxilia na diminuição do esvaziamento gástrico, ou seja, ajuda a acelerar o processo digestivo e, por consequência, a evacuação. “A enzima está presente principalmente na casca (que também pode ser consumida) e pode ser encontrada tanto na fruta verde quanto madura. Aliás, não é exclusividade do papaia, o mamão formosa também é fonte de papaína”.


Farelo de aveia: riquíssimo em fibras solúveis, o farelo de aveia é a parte mais externa do tradicional cereal, mais especificamente a casca da aveia antes do refinamento. Por essa característica resistente, estimula não só o crescimento das bactérias boas do intestino, como melhora a consistência das fezes e sua mobilidade no intestino. De acordo com Gabriela, uma das maiores vantagens do cereal, além do seu alto valor nutritivo, é sua versatilidade “O melhor do farelo de aveia é que ele pode ser usado em inúmeras receitas: pode ser adicionado em sucos e vitaminas ou simplesmente polvilhado em sopas, frutas e legumes.” Alternativas? Embora seja extremamente benéfico, ajudando inclusive no controle do colesterol, existem algumas pessoas que não gostam da textura da aveia. “Nesse caso, para obter os mesmos benefícios em relação ao transito intestinal é possível optar por outros cereais integrais como o farelo de trigo, a granola, a aveia em flocos e, até mesmo, o arroz integral”.


Lembre-se: água e fundamental


Para finalizar, o segredo de um cardápio capaz de prevenir ou, até mesmo, tratar a constipação é o equilíbrio entre a boa hidratação e consumo de fibras. Para assegurar que essas “aliadas” vão cumprir adequadamente seu papel de “condutor” das fezes, é fundamental que a ingestão de água esteja de acordo, senão, corre-se o risco de agravar os sintomas da prisão de ventre. Embora a quantidade recomendada pelo Ministério da Saúde seja de pelo menos dois litros de água todos os dias, essa taxa pode variar de acordo com peso, idade, sexo, nível de atividade, entre outros fatores. Para saber tanto a quantidade adequada de fibras para sua alimentação, bem como a hidratação ideal para que seu intestino funcione como um reloginho, não deixe de consultar seu médico/nutricionista, somente esses profissionais saberão indicar um tratamento individualizado para sua condição!

 

 

Fonte:  Nova Nutrii

 

 



Cuidado: excesso de alimentos ácidos podem trazer danos à saúde

 

Poucos sabem, mas o fator pH do organismo pode causar uma série de transtornos para nossa saúde. A acidez, por exemplo, acaba favorecendo condições médicas clínicas. De acordo com estudo da Universidade de Indiana, alguns exemplos podem ser úlceras, problemas de pele, artrite, osteoporose e até mesmo fadiga e depressão.


“O nosso organismo é criado para ser alcalino. O pH da maioria das nossas células e fluidos como, por exemplo, o sangue tem um valor ligeiramente alcalino. Assim como o nosso corpo tem mecanismos para regular a temperatura, de forma que se mantenha num valor determinado, ele faz o mesmo para tentar manter o valor de alcalinidade do sangue”, explica o doutor Theo Webert, que atua em nutrologia e qualidade de vida.


Segundo o médico, um dos fatores que determinam o pH do sangue é alimentação. “O nosso organismo transforma tudo aquilo que consumimos em energia. Mas ao alimento adequado pode regular o melhor funcionamento de nossas funções vitais”, acrescenta. O excesso de acidez no corpo pode resultar em problemas para a saúde, como risco de doenças inflamatórias e até câncer.


O médico lembra que a alimentação incorreta favorece a produção de ácidos que podem colocar em risco o equilíbrio do pH sanguíneo. “Com esse desequilíbrio, o corpo acaba utilizando substâncias necessárias para outras funções, como o cálcio, que serve para fortalecer os ossos e acaba tendo outro fim, como retomar a alcalinidade do nosso corpo”, diz.


O especialista explica que as reservas de minerais alcalinos são facilmente consumidas devido excesso de alimentos ácidos, que são aqueles processados ou com excesso de química, como refrigerantes, a pizza, batatas fritas, bolos, biscoitos, cafeína, queijo, alimentos com gordura, bebidas alcoólicas, natas, etc. “Se o organismo está constantemente utilizando o cálcio para eliminar os ácidos que consumimos, então futuramente surgirão os sintomas da osteoporose”, exemplifica.


Théo Webert, que atua no reequilíbrio corporal, lembra que estudos recentes reforçam a ideia de que uma dieta com pH equilibrado pode otimizar o metabolismo e aumenta a capacidade do corpo em eliminar as toxinas, além de reduzir consideravelmente a retenção de líquidos. “O ideal é equilibrar o consumo de alimentos ácidos e alcalinos”.


O médico defende o aumento considerável de alimentos ricos em minerais alcalinos, como magnésio, potássio, cálcio e sódio. Esses nutrientes podem ser encontrados em abundância, por exemplo, no óleo de peixe, no chá verde, em grãos integrais, vegetais e amêndoas, inhame, lentilha, melão e brócolis. “Além disso, o ideal é realmente evitar refrigerantes, até mesmo a água tônica, , café, chá-preto, açúcar, adoçantes diversos, amendoim, grãos e vegetais ricos em amido, como trigo, massas e feijão”, lembra.


Théo Webert lembra que o organismo de cada paciente representa um universo único e precisa ser avaliado individualmente. “A alimentação correta é a maior prevenção contra doenças. No entanto, a procura do auxílio de um especialista é sempre o melhor caminho para um resultado realmente eficiente desse tratamento”.


Conheça alguns alimentos alcalinos


Raízes - nabo, cenoura, beterraba e outros tubérculos podem ser consumidos crus ou levemente cozidos;


Vegetais crucíferos – repolho e brócolis estão entre os mais alcalinos;


Alho, limões, pepino, aipo, maçãs, abacate e uva também são alimentos alcalinos.



 


 



 

 
 
 Vagens assadas com amêndoas e pimenta

 

 

Ingredientes:

 

3 c.c. de azeite de oliva

4 xíc. de vagens cortadas

1 dente de alho picado

½ c.c. de sal

1 pimenta dedo-de-moça, cortada em tiras finas

2 C.S. de amêndoas, partidas

 

 

Modo de Fazer:

 

Preaqueça o forno a 220°C.

Misture o azeite de oliva com as vagens e o alho e tempere com o sal. Misture a pimenta e as amêndoas.

Arrume as vagens em uma assadeira antiaderente. Leve ao forno para assar, por aproximadamente 10 a 15 minutos, mexendo pelo menos uma vez na metade do tempo de cozimento.

Retire do forno e sirva quente. Cada porção equivale a 1 xíc.

 

DICA

Esse é um prato que acompanha perfeitamente carne ou frango grelhados. Se preferir, retire as tiras de pimenta antes de servir.

 

 

Talharim de beterraba com mix de vegetais

Abimapi

 

 

Ingredientes:


500 gramas de talharim de beterraba cozido al dente


Mix de vegetais


50 gramas de manteiga sem sal
100 ml de azeite de oliva
100 gramas de cenoura escaldada e fatiada
1 batata baroa pequena, escaldada e fatiada
200 gramas de ervilha torta cortada em três partes
6 buques de couve flor escaldados
1 folha de repolho roxo rasgada em pedaços pequenos
3 colheres das de sopa de alho poro fatiado e cortado em tirinhas
100 gramas de cogumelos paris frescos, fatiados e cortado em cubos pequenos
Sal, noz-moscada, caldo de legumes em pó e pimenta do reino a gosto
Cheiro verde a gosto
Queijo parmesão a gosto

 

Modo de Fazer:

 

Mix de vegetais: Aqueça a manteiga e o azeite de oliva em uma frigideira grande, adicione os vegetais e frite em fogo forte por 3 a 5 minutos, até que estejam al dente. Tempere com sal, noz-moscada, pimenta a gosto. Junte o macarrão cozido e deixe fritar um pouco neste refogado. Finalize com cheiro verde e queijo parmesão a gosto. Sirva quente.

 

 

 




 

 

 

 

Pot Pie de Camarão e Cogumelo

 

 

 

 

 Ingredientes:

 
 

400g de camarões médios sem casca e limpos

 

1 colher (chá) de sal

 

Pimenta-do-reino recém-moída

 

1 colher (sopa) de Manteiga Tirolez com sal

 

2 dentes de alho picados

 

1 cebola picada

 

5 unidades grandes de shiitake limpas e fatiadas (100g)

 

½ xícara (chá) de vinho branco seco

 

1 embalagem de Creme de Leite Tirolez (500g)

 

Folhas de 3 ramos de salsa picadas

 

1 folha de massa folhada (100g)

 

 

 

Modo de Fazer:

 

Tempere os camarões com o sal e a pimenta e reserve.

 

Em uma frigideira de bordas altas, derreta a manteiga e doure ligeiramente o alho e a cebola.

 

Aumente o fogo, junte os camarões e refogue-os rapidamente, até atingirem coloração rosada. Retire-os e reserve.

 

Acrescente os shiitakes e refogue-os rapidamente. Junte o vinho e cozinhe por 10 minutos para que o álcool evapore.

 

Acrescente o creme de leite e a salsa picada e cozinhe por cerca de 10 minutos para que o creme de leite reduza e encorpe. Junte então os camarões, misture e desligue o fogo. Divida em 6 refratários individuais (cerca de 9 cm de diâmetro).

 

Com a ajuda de um cortador de arame, corte a massa em 10 discos com 10cm de diâmetro cada. Acomode sobre os refratários individuais, cuidando para que a massa não encoste no recheio e as bordas fiquem para fora do refratário, para que a massa se mantenha crocante.

 

Pincele com a gema ligeiramente batida e asse em forno médio (180 °C), preaquecido, por 10 minutos ou até que a massa esteja dourada e crocante.

 

 

 

Variações: Experimente substituir os camarões por peito de frango em cubos. Nesse caso, doure bem os cubos, mexendo para que dourem de todos os lados, e siga com a receita (não é necessário retirá-los). Para uma versão vegetariana, utilize palmito, cebola e ervilhas frescas.

 

 
 



 

 

 

Medalhão de mignon com molho de vinho tinto

 

 

Ingredientes:

 

3 jatos de óleo spray

½ c.c. de sal

½ c.c. de pimenta-do-reino

○ 500g de filé mignon, cortados em 3 medalhões

6 C.S. de vinho tinto

1 c.c. de manteiga sem sal

 

 

Modo de Fazer:

 

Preaqueça o forno a 200°C. Unte uma assadeira com um pouco de óleo spray.

Aqueça em fogo médio uma frigideira untada com óleo spray.

Tempere os medalhões com sal e pimenta. Quando a frigideira estiver quente, coloque a carne e cozinhe, sem virar, por 5 minutos. Vire com o auxílio de uma espátula e cozinhe por mais 6 minutos.

Retire os medalhões da frigideira e coloque na assadeira. Cubra com papel alumínio e leve ao forno por mais 10 minutos.

Enquanto isso, coloque o vinho na frigideira e aumente o fogo. Deixe reduzir a metade do líquido e então adicione a manteiga. Cozinhe, mexendo, até que ela derreta.

Retire a carne do fogo e deixe descansar por 10 minutos antes de cortar. Cada porção equivale a 1 medalhão e 1 C.S. de molho.

 

DICA     

Sirva acompanhado de legumes no vapor ou purê de batatas. Experimente um pouco de mostarda Dijon por cima.

 

 
 




 

 

Terrine de espinafre, salmão e cogumelos

 

 

Ingredientes:

 

1 maço de espinafre

3 ovos

1 caixinha de creme de leite (200g)

2 colheres (sopa) de amido de milho

1 pitada de noz-moscada ralada

1 colher (chá) de sal

 

 

Recheio:

 

1 cebola picada

1 colher (sopa) de azeite

400g de salmão fresco, em cubos médios

1 xícara (chá) de cogumelos Paris frescos picados

1 colher (chá) de sal

1 colher (sopa) de cebolinha verde picada

 

 

MODO DE Fazer:

 

Retire as folhas do espinafre, lave bem e coloque em uma panela. Regue com 2 colheres (sopa) de água e cozinhe com a panela tampada por 5 minutos. Retire, escorra bem e reserve. Coloque no Liquidificador Expressionist BLP50 os ovos, o creme de leite, o amido de milho, a noz moscada, o sal e o espinafre reservado. Bata por 2 minutos e reserve. Refogue a cebola no azeite até amaciar e junte o salmão, os cogumelos e o sal.

 

Mexa e refogue por cerca de 2 minutos ou até que o salmão comece a perder a cor rosada. Adicione a cebolinha verde e coloque no fundo de uma forma refratária média untada com azeite. Por cima, despeje a mistura de espinafre. Leve ao forno médio (200◦C), por cerca de 30 minutos ou até ficar firme. Sirva.

 

 

Informações sobre a receita:

De acordo com Cinthya Maggi, esta receita é ideal para servir como prato principal, com os benefícios do ômega-3 contidos no peixe e os atributos nutricionais do espinafre e dos cogumelos para compor uma refeição saudável.



Grupo Electrolux

www.electrolux.com.brwww.electrolux.com/news 

SAC Electrolux Eletroportáteis:

3003-2321 – Capitais e demais regiões metropolitanas

0800 740 4321 – Demais regiões

 

 

 



 

SOBREMESA

 

 

 

Panquecas de Café Utam

 

 

 


 

 

 

Ingredientes:

 

Massa

 

• 1 ½ xícara de farinha de trigo

 

• 2 colheres (sopa) de açúcar

 

• 2 colheres (sopa) de margarina

 

• 1 colher (café) de fermento em pó

 

• 1 gema

 

• 1 xícara (café) de leite

 

• 6 bananas nanicas bem maduras

 

• Açúcar para polvilhar Canela em pó

 

 

 

 

 

Molho de Café Utam

 

• 2 gemas

 

• 1 lata de leite condensado

 

• 1 ½ medida de leite

 

• 1 xícara (chá) de Café Utam Extraforte sem açúcar

 

• 2 colheres (chá) de Café Solúvel Utam (dissolvido)

 

• 1 colher (chá) de essência de baunilha

 

 

 

Modo de Fazer:

 

Massa: Coloque a farinha, o açúcar, a margarina, o fermento, a gema e o leite em uma tigela. Misture bem para se tornar uma massa homogênea. Abra a massa com o rolo formando fitas bem finas de, aproximadamente, 2 cm por 25 cm. Corte as bananas ao meio de comprido. Misture o açúcar com a canela e passe a banana sobre esta mistura. Enrole a tira cobrindo toda a banana. Frite em óleo quente.

 

 

 

Molho de Café Utam: Ferva o leite com a baunilha. Bata as gemas com o leite condensado até obter um creme. Junte o leite, o Café Solúvel Utam, o Café Utam Extraforte e leve ao fogo em banho-maria batendo com o batedor de arame ou com uma batedeira portátil, por aproximadamente 20 minutos. Coe o molho. Na hora de servir, distribua os rolinhos nos pratos e regue com o molho de Café Utam.

 

 



 

 

 

PAVÊ DE LIMÃO NO COPINHO

 

Cozinha Experimental União www.ciauniao.com.br

 

 

 

 

INGREDIENTES:


 

Creme


 

3 colheres (chá) de água (45 ml)

 

½ colher (sopa) de gelatina em pó sem sabor (5g)

 

1 lata de creme de leite com o soro (300 ml)

 

1 e meia xícara (chá) de Açúcar Refinado UNIÃO (240g)

 

6 colheres (sopa) de suco de limão (90 ml)

 

 

 

Farofa

 

½ pacote de biscoito maisena (14 unidades)

 

1 colher (sopa) de manteiga gelada (20g)

 

1 colher (sopa) de raspas de limão (6g)

 

 

 

 

 

Decoração:

 

rodelas de limão

 

 

 

 

 

Modo de Fazer:

 

 

 

Creme

 

Hidrate a gelatina com a água e dissolva segundo as informações da embalagem. Reserve. Em um liquidificador, acrescente o creme de leite, o Açúcar Refinado União, o suco de limão e a gelatina dissolvida. Bata até obter um creme homogêneo. 

 

 

 

Farofa

 

Em um liquidificador, triture os biscoitos até formar uma farinha não muito fina.

 

Em uma tigela, acrescente os biscoitos triturados, a manteiga e as raspas de limão, amasse com as pontas dos dedos até formar uma farofa úmida. Reserve.

 

Montagem

 

Distribua metade do creme nos copos e leve para gelar por cerca de 10 minutos.

 

Retire da geladeira, acrescente metade da farofa e o restante do creme. Leve para gelar por cerca de 1 hora. Antes de servir distribua o restante da farofa e decore com rodelas de limão.

 

 

 

 

 



 

 

 

 

ALASKA - SORVETE DE FORNO UNIÃO

Cozinha Experimental União www.ciauniao.com.br

 

 

 INGREDIENTES:


Massa:


1 xícara (chá) de farinha de trigo (110 g)

1 xícara (chá) de açúcar refinado UNIÃO (160 g)

2 colheres (chá) de fermento em pó (8 g)

1 pitada de sal

3 colheres (sopa) de manteiga sem sal (60 g)

2 claras em neve (80 g)

½ xícara (chá) de leite (100 ml)

1 ovo (60 g)

1 colher (chá) de essência de baunilha (5 ml)

 

Recheio:


500 g de sorvete de frutas vermelhas ou outro de sua preferência.  

 

Cobertura:


3 claras (120 g)

1 e ¼ xícara (chá) de açúcar refinado UNIÃO (200 g)

 

Montagem:


Frutas vermelhas para decorar

 

Para forrar:


Papel-manteiga

Filme plástico

 

 

Modo de Fazer:


Massa

 Preaqueça o forno a 180°C e forre uma forma redonda média (18 cm de diâmetro) com papel-manteiga. Reserve.


Em uma batedeira, junte a farinha, o açúcar refinado UNIÃO, o fermento e o sal e bata em velocidade baixa para misturar os ingredientes.


Junte à mistura de secos com a manteiga em temperatura ambiente e bata até formar uma mistura de textura de areia grossa. Reserve.


Em uma tigela, misture as claras, o leite, o ovo e a baunilha. Junte na mistura reservada e bata na batedeira em velocidade baixa até homogeneizar.


Despeje a massa na forma reservada e asse em forno preaquecido por 25 minutos ou até que, ao inserir um palito na massa, este saia limpo.


Retire do forno, espere amornar e desenforme sobre uma grade. Aguarde esfriar completamente.

 

Recheio


Forre as formas para petit gâteau (5,5 x 4 cm) com filme plástico.


Corte o bolo em fatias de 1 cm de largura e forre as formas, cobrindo o fundo e as laterais com os pedaços de bolo.


Preencha com uma porção de sorvete e feche com um pedaço do bolo.


Embale bem e reserve no congelador por pelo menos 5 horas.

 

 

Cobertura


Em uma tigela em banho-maria, aqueça as claras com o açúcar refinado UNIÃO, sem parar de mexer, até dissolver todos o açúcar, mas sem ferver.


Em uma batedeira, bata a mistura em velocidade média até esfriar e formar um merengue em ponto de picos firmes. Reserve.

 

Montagem

Preaqueça o forno a 220°C.


Desenforme os sorvetes sobre refratário e, com a ajuda de uma colher, cubra-os com o merengue.


Leve ao forno preaquecido por 5 minutos ou até dourar levemente.


Sirva em seguida decorado com as frutas vermelhas.

 

DICA:

Se preferir uma cobertura mais dourada, utilize o maçarico.

 

 



 

BEBIDAS

 

 

 

Hulk Coffee

Everton Mori, barista do Café Santa Mônica

 

 

Ingredientes (copo bill de 350ml):

 

60ml de xarope de Curaçau Blue

60ml de Vodka

60ml de água com gás

50ml de café gourmet Santa Mônica

3 pedras de gelo

 

Modo de preparar:


Monte a bebida de acordo com a ordem dos ingredientes, primeiro o curaçau, seguido de vodka, água com gás, café gourmet e gelo, depois sirva.






 

 

 

SPICY LADY

Receita do Bistrot Bagatelle

 

Ingredientes

  • 2 doses de vodca
  • 6 pedaços de melancia, sem caroço
  • 1 pimenta jalapeño
  • Suco de meio limão
  • Mel o quanto baste


Modo de preparar:


Em uma coqueteleira, coloque os pedaços de melancia, amasse com ajuda de um macerador até que se obtenha a consistência de suco. Adicione o gelo, o suco de limão e o mel a gosto. Acrescente um pedaço pequeno de pimenta jalapeño, sem as sementes, e agite. Em seguida, coe, em uma taça de margarita previamente resfriada, enfeite com uma pimenta inteira na borda do copo, e sirva.

 

 




 

 

 

FROZEN DAIQUIRI

Bar Eu Tu Eles

 

 

Ingredientes

  • 40 ml de Rum Carta Branca
  • 30 ml de licor Curaçao Blue
  • 30 ml de suco pronto de cranberry
  • 8 pedras grandes de gelo


Modo de Preparar:


Resfrie as taças a serem utilizadas, adicionando o quanto baste de gelo (que será descartado posteriormente) em cada uma. Em um liquidificador, acrescente todos os ingredientes, e o gelo. Bata até que a mistura ganhe a consistência de frozen. Para servir, descarte o gelo das taças, e complete-as com a mistura frozen. Decore cada taça com uma cereja e um toque de suco de cranberry.

 

 



 

 

 

Guava Cascão

O Concierge


Imagem: Divulgação

 

 Ingredientes:

250 ml de goiabada cremosa
100 ml de água
50 ml de gin
15 ml de aperol
15 ml de suco de limão

 

Modo de preparar:


Derreta a goiabada com água numa panela. Deixe esfriar. Misture 30 ml da goiabada derretida na coqueteleira com o gin, o aperol e o suco de limão. Sirva com gelo picado e enfeite com hortelã.