Seis doenças sexualmente transmissíveis em alta entre jovens brasileiros

Ministério da Saúde aponta que 56,6% dos brasileiros entre 15 e 24 anos usam camisinha com parceiros eventuais

 

 

Segundo dados do Ministério da Saúde, 56,6% dos brasileiros entre 15 e 24 anos usam camisinha com parceiros eventuais.

A falta de prevenção no início da vida sexual vem preocupando o órgão, afirma Adele Schwartz Benzaken, diretora do Departamento de Infecções Sexualmente Transmissíveis, Aids e Hepatites Virais.

"Nos últimos anos, temos observado que a população mais jovem está reduzindo o uso do preservativo", diz ela à BBC Brasil.

Mas é no Carnaval que as campanhas de prevenção se intensificam. Até o fim da festa, peças publicitárias do governo estarão em TVs, revistas e redes sociais propagando o slogan "No carnaval, use camisinha - e viva essa grande festa!".

As campanhas miram, sobretudo, o alto número de pessoas no Brasil que têm HIV mas ainda não sabem - aproximadamente 112 mil brasileiros - e os cerca de 260 mil que vivem com o vírus mas ainda não se tratam, aumentando o risco de propagação da doença.

Apesar de o principal foco continuar sendo a prevenção de HIV/Aids, especialistas alertam para o risco de propagação de outras doenças, como HPV, herpes genital, gonorreia, hepatite B e C e, especialmente, sífilis.

Saiba mais sobre cada doença abaixo. Todas podem ser evitadas com o uso do preservativo.

 

HIV/Aids

O vírus da imunodeficiência humana é o causador da Aids, que ataca o sistema imunológico e derruba o sistema de defesa do organismo. No Brasil, a epidemia de HIV/Aids é considerada estabilizada, mas vem avançando entre os mais jovens.

Na última década, o índice de contágio mais que dobrou entre jovens de 15 a 19 anos, passando de 2,8 casos por 100 mil habitantes para 5,8 casos.
Também aumentou na faixa etária entre 20 a 24 anos, chegando a 21,8 casos a cada 100 mil habitantes.

"Isso mostra que nossa população jovem está mais vulnerável ao HIV e precisa acessar mais conhecimento e os serviços de saúde para se testar", afirma a infectologista Brenda Hoagland, pesquisadora do Laboratório de Pesquisa Clínica em DST e AIDS do Instituto Nacional de Infectologia Evandro Chagas (INI/Fiocruz).

"Como a nova geração não assistiu à epidemia quando o HIV ainda não tinha tratamento, é possível que não tenha uma percepção sobre a gravidade do HIV, o que aumenta nossa responsabilidade de informar sobre sobre riscos e prevenção", acrescenta ela.

Atualmente, cerca de 827 mil pessoas vivem com o HIV no país, e aproximadamente 112 mil brasileiros têm o vírus, mas não o sabem. O tratamento contínuo ao HIV pode controlar a doença, garantir a sobrevida dos infectados e tornar o vírus indetectável (o que equivale a prevenir a transmissão com uma segurança de 96%). Mas não pode curá-la. O teste rápido costuma detectar a infecção cerca de 15 dias após o contágio.

As campanhas costumam focar no uso da camisinha como método de prevenção, mas é essencial conhecer também a proteção disponível para casos de relação de risco desprotegidas, frisa Brenda - a chamada profilaxia pós-exposição, ou PEP, um conjunto de medicamentos contra o HIV que devem ser ingeridos por 28 dias no período imediatamente após o possível contágio.

"Se uma pessoa teve uma relação sexual desprotegida em que suspeite de risco para o HIV, ela deve procurar um serviço de saúde até no máximo 72 horas após a relação. Ou seja, se a camisinha rompeu ou deixou de ser usada, a pessoa pode buscar o atendimento numa emergência e o serviço é gratuito", ressalta a infectologista, acrescentando que quanto mais cedo se inicia o tratamento dentro dessas 72 horas, maiores suas chances de eficácia.

 

Sífilis

Transmitida pela bactéria Treponema pallidum, a infecção apresenta diferentes estágios, do primário ao terciário, e tem maior potencial de infecção nas duas primeiras fases, que costumam ocorrer até 40 dias após o contágio. É transmitida por relações sexuais ou pode ser passada da gestante para o bebê.

"A sífilis congênita, que é notificada compulsoriamente no Ministério da Saúde, é transmitida de mãe para filho e teve aumento de quase 200% ao longo dos últimos dois anos", alerta a infectologista Brenda Hoagland, do Instituto Nacional de Infectologia Evandro Chagas (INI/Fiocruz).

Os sintomas são feridas na região genital (na fase primária) e manchas no corpo que sugerem uma alergia (na fase secundária). O tratamento da doença é gratuito na rede pública, feito com penicilina.

 

HPV

O Papilomavírus Humano existe com mais de 200 variações e se manifesta por meio de formações verrugosas - que podem aparecer no pênis, vulva, vagina, ânus, colo do útero, boca ou garganta.

O sexo é a principal forma de transmissão do HPV, seja pelo coito ou pelo sexo oral.

O HPV é uma preocupação grave de saúde pública pelo potencial de alguns tipos do vírus causarem câncer, principalmente no colo do útero e no ânus, mas também na boca e na garganta, que vêm aumentando entre os jovens.

O vírus pode ficar latente por períodos prolongados sem que haja sintomas, e é difícil erradicar a infecção por completo. Por isso, especialistas recomendam que mulheres em idade reprodutiva façam exames preventivos anuais no colo do útero para monitorar o aparecimento de possíveis lesões que antecedem o câncer e que podem ser tratadas. Apenas 56,6% dos jovens brasileiros usam camisinha com parceiros eventuais

A infectologista Brenda Hoagland, do Instituto Nacional de Infectologia Evandro Chagas (INI/Fiocruz), estende a recomendação a homens que fazem sexo anal desprotegido, e devem fazer exames preventivos na região anal e no reto.

No fim do ano passado, o Ministério da Saúde anunciou que a vacina quadrivalente que protege contra quatro tipos de HPV passaria a ser oferecida também para meninos, na faixa de 12 a 13 anos. Até agora, a vacina só era disponibilizada para meninas de 9 a 13 anos.

 

Gonorreia

A doença é causada pela bactéria Neisseria gonorrhoeae, que infecta sobretudo a uretra. O sintoma mais comum é a presença de corrimento na região genital, mas a infecção pode causar dor ou ardor ao urinar, dor ou sangramento na relação sexual e, nos homens, dor nos testículos. A maioria das mulheres infectadas não apresenta sintomas.

O tratamento é feito com antibiótico e deve ser estendido ao parceiro, mesmo que este não tenha sintomas.

Quando não tratada, a infecção pode atingir vários órgãos, como o testículo, nos homens, e o útero e as trompas, nas mulheres, e pode causar infertilidade e complicações graves.

 

Herpes genital

Transmitido pela relação sexual com uma pessoa infectada, o vírus do herpes causa pequenas bolhas e lesões dolorosas na região genital masculina e feminina.

As feridas podem acompanhar ardor, coceira, dor ao urinar e mesmo febre, e os sintomas podem reaparecer ou se prolongar quando a imunidade está baixa.

"O herpes não tem cura. A partir do momento que você tem uma infecção, você ter vários episódios ao longo da vida. A única forma de prevenção é o preservativo", ressalta a infectologista Brenda Hoagland, da Fiocruz.

Além do incômodo causado pelas lesões, o herpes pode facilitar a entrada das outras doenças sexualmente transmissíveis.

Os portadores do vírus devem ter cuidado redobrado para não transmiti-lo, o que ocorre principalmente quando as feridas estão presentes, mas pode também ocorrer na ausência das lesões ou quando elas já estão cicatrizadas. A doença pode ter consequências graves durante a gravidez, podendo provocar aborto e trazer sérios riscos para o bebê.

 

Hepatite B ou C

No Brasil, as formas virais mais comuns de hepatite ou inflamação do fígado são as causadas pelos vírus A, B ou C.

A hepatite B é transmitida sexualmente, e também por transfusão de sangue e compartilhamento de material para uso de drogas, entre outros.

As mesmas formas valem para a hepatite C, mas a transmissão sexual é mais rara, por isso, ela não é considerada propriamente uma infecção sexualmente transmissível.

De acordo com o Ministério da Saúde, milhões de brasileiros são portadores dos vírus B ou C e não sabem. Correm, assim, o risco de desenvolver a doença crônica e ter graves danos ao fígado, como cirrose e câncer.

A vacina contra a hepatite B é gratuita e disponível na rede pública. O diagnóstico é feito por meio de exame de sangue e o tratamento pode combinar medicamentos e corte de bebidas alcoólicas.

Os sintomas para ambas as doenças são raros, mas podem incluir cansaço, tontura, enjoo e pele e olhos amarelados.

Como a doença é considerada "silenciosa", é indicado realizar exames de rotina que detectam todas as suas formas. Ainda não há vacina para a hepatite C.

 

 


Autor: BBC
Fonte: Uol

 

 




 

 

Cansaço pode ser doença


Cansaço excessivo pode indicar que a saúde não vai bem


O cansaço é uma das queixas cada vez mais frequentes de quem procura um consultório médico, sendo comum na vida das pessoas que possuem uma rotina corrida, sem muito tempo para descanso, ou lazer. Mas se mesmo com um sono reparador ele persiste, pode indicar que o motivo não é apenas a falta de tempo para descansar.


De acordo com o Clínico Geral do Hospital Nossa Senhora das Graças (HNSG), Dr. Heitor Lagos, sentir-se sempre cansado não é normal. “A sensação de cansaço que persiste por duas a três semanas ou que se repete todo mês deve ser motivo para procurar um profissional médico”, orienta.


Segundo o especialista, o cansaço constante é um sinal de desequilíbrio do organismo que pode interferir na qualidade de vida. “Pode afetar o sistema imunológico, causar alterações emocionais, do sono, apetite e afetar o desempenho físico e intelectual, além da produtividade”, comenta o médico. Além disso, pode estar relacionado a uma série de problemas de saúde. “As principais doenças relacionadas com o cansaço são depressão, anemia, hipotireoidismo e outros distúrbios endocrinológicos como diabetes, insônia, distúrbios reumáticos, hepatopatias, doenças renais, pulmonares e insuficiência cardíaca”, complementa.



Quando se preocupar

Ao identificar o cansaço frequente é aconselhado observar se existem outros sintomas associados e buscar auxílio médico para iniciar o tratamento adequado. Na consulta médica o médico fará uma pesquisa através de uma investigação para definir a causa que está por trás deste sintoma. “Os exames geralmente necessários para investigar são exames de laboratório como hemograma, teste de glicemia, de função hepática, renal e tireoide”, explica Dr. Heitor.


O cansaço que não tenha como causa uma doença pode ser prevenido através de bons hábitos de vida. “Sono adequado, alimentação saudável, evitando a obesidade, e a prática física regular ”, orienta o médico. O uso de vitaminas e suplementos podem ajudar desde que se afaste as doenças citadas.



Síndrome da Fadiga Crônica

Pouco conhecida e com sintomas pouco específicos a fadiga crônica segundo o especialista é um quadro de difícil diagnóstico. É uma doença cruel e debilitante, que provoca dores intensas, cansaço constante, infecções recorrentes, insônia, desânimo distúrbios gastrointestinais e incapacidade de executar as tarefas mais básicas do dia a dia. Como a doença apresenta sintomas que se aplicam também a outras enfermidades, o diagnóstico definitivo é feito por eliminação.


É necessário confirmar o que o paciente não tem uma lista de diversas doenças, como anemia, insuficiência cardíaca, fibromialgia, depressão, câncer ou qualquer outra condição que tenha como sintoma a fraqueza e o cansaço. “Recomenda-se muita cautela aos pacientes e médicos para antes que se rotule alguém como tendo este quadro”, diz Dr. Heitor. “Em geral o tratamento deste quadro passa pelo uso de antidepressivos com ações nos neurotransmissores e mudanças de estilo de vida com prática de atividade física, psicoterapia e meditação”, explica.

 

 

 

 



 

 

Médico da Fundação Pró-Rim alerta para os perigos da doença que pode acometer crianças de todas as idades


Crianças podem sofrer de insuficiência renal crônica. Algumas doenças ocasionadas principalmente por rins policísticos apresentam em média risco de 25% de transmissão genética. Neste caso, o tecido normal do rim que faz a filtração é substituído por vários cistos, que são bolinhas com conteúdo líquido. Isso pode representar ao longo dos anos a perda da função renal. O alerta é do médico nefrologista pediátrico da Fundação Pró-Rim, Dr. Artur Ricardo Wendhausen.


Se houver histórico de doenças renais familiares ou anormalidades detectadas na gestação, a avaliação deve ser mais rigorosa e em intervalos menores. Fora isso, o acompanhamento periódico dos rins deve ocorrer geralmente a partir do terceiro ano de vida. Segundo o médico, os pais também devem solicitar em cada consulta a medição da pressão arterial da criança, que pode indicar um fator de desenvolvimento da doença. 


 “A doença renal afeta tanto crianças como adultos. É silenciosa e não apresenta sintomas. Só vai se manifestar depois que estiver em estágio bem avançado. Por isso é importante detectá-la precocemente”, reforça o Dr. Arthur. Ele acrescenta que os pais devem prestar atenção aos sinais que podem indicar algum problema renal como inchaço, vômitos frequentes, infecções urinárias, atraso no crescimento, problemas ósseos e anemias de difícil cura.


O médico esclarece também sobre as formas de tratamento, que podem ser o conservador, através do uso de medicamentos e em outra fase na hemodiálise ou diálise peritoneal até chegar ao transplante. Ele garante que tanto hemodiálise como diálise peritoneal são tratamentos seguros. “Preferencialmente, o médico é mais favorável à diálise peritoneal, tratamento em que as trocas de bolsas ocorrem em casa e a criança consegue manter a sua rotina escolar e familiar de maneira mais apropriada”, explica.


Assegura, no entanto, que nenhum destes tratamentos compromete o crescimento da criança. “A diálise possibilita o crescimento gradativo, só que mais lento, por conta da doença. O que afeta o desenvolvimento físico é a insuficiência renal crônica, que faz com que o paciente tenha dificuldade em ganhar peso e crescer. Para isso, existem terapias como hormônios de crescimento e vitaminas”. O Dr. Artur descarta, porém, qualquer comprometimento na parte cognitiva da criança. 


O médico alerta aos pais sobre a importância de hábitos na prevenção. É fundamental estimular na criança a ingestão regular de água mesmo sem estar com sede, controlar a obesidade e diminuir consideravelmente o consumo de sal e de alimentos industrializados. Recomenda ainda o desenvolvimento de atividades físicas e a atenção redobrada quanto ao uso de anabolizantes, álcool, tabagismo entre outras drogas, na adolescência. Além disso, é fundamental orientar os filhos sobre automedicação, especialmente com analgésicos e antiinflamatórios que são nocivos aos rins.


 

 





 

Cirurgia robótica é a indicação mais segura para procedimentos ginecológicos


Retirada de miomas, tratamento da endometriose e outras patologias se beneficiam com tecnologia cirúrgica

 

As doenças ginecológicas são sempre motivo de atenção. Especialistas recomendam o acompanhamento médico em consultório e realização de exames preventivos, associados aos hábitos saudáveis, para evitar complicações. Mas, quando o caso tem indicação cirúrgica, as mulheres podem ser beneficiadas pela tecnologia na medicina, recebendo um tratamento mais resolutivo e minimamente invasivo. A cirurgia robótica é a opção mais recomendada para o tratamento dos miomas uterinos, da endometriose profunda e do câncer ginecológico pélvico.

 

- A indicação de procedimentos minimamente invasivos, auxiliados pela robótica, tem como benefícios principais a preservação da fertilidade e das estruturas anatômicas, assim como melhores condições no pós-operatório. Anterior a esta tecnologia, era comum que as mulheres tivessem que ser submetidas a procedimentos mais invasivos, radicais e com maior risco de hemorragias e infecções. Hoje, esta realidade pode ser alterada devido a evolução da tecnologia na medicina, que vem a beneficiar tanto o paciente quanto ao cirurgião. A robótica tem um ganho significativo em relação a laparoscopia e inigualável a cirurgia aberta, com menor dor pós-operatória, recuperação mais rápida e retorno precoce às atividades cotidianas – esclarece Dr. Michel Zelaquett, ginecologista especialista em miomas uterinos e cirurgião em robótica do Hospital Quinta D’Or.

 

A cirurgia robótica ginecológica é indicada para procedimentos de alta complexidade, que requerem cada vez mais precisão para sua realização. Pacientes diagnosticadas com doenças benignas como miomas uterinos e endometriose, podem ser submetidas a cirurgia robótica, tanto no intuito de preservação do útero e da fertilidade, quanto para a histerectomia (retirada do útero), quando necessário. Além disso, esta tecnologia também é amplamente empregada para o tratamento do câncer de colo uterino, de endométrio e ovário, com ótimos resultados em relação ao tratamento da doença, associado a uma rápida recuperação da paciente. Hoje, o Hospital Quinta D’Or, através de seus cirurgiões altamente especializados, é a maior referência no Rio de Janeiro para procedimentos ginecológicos através da cirurgia robótica.

 

Tecnologia a Serviço da Mulher – A cirurgia robótica tem sido indicada para diversos procedimentos em ginecologia, como miomectomias (cirurgia para retirada dos miomas e preservação do útero), histerectomias desde as mais simples até as mais complexas, reconstruções pélvicas, endometrioses severas e para o tratamento do câncer ginecológico. O procedimento minimamente invasivo gera muitos benefícios para as pacientes, como a realização de cirurgias mais seguras com redução de complicações hemorrágicas e infecciosas, recuperação mais rápida e menos dolorida, fazendo com que o retorno às atividades diárias seja acelerado.

 

Integralidade na assistência O conceito de Centro de Saúde da Mulher, implantado no Hospital Quinta D’Or, caracteriza a interligação dos serviços destinados aos cuidados femininos. Contemplando desde atendimento em consultório, exames de diagnóstico de alta tecnologia e tratamentos cirúrgicos, os especialistas atuam de forma integrada gerando melhor resultado e assertividade à assistência. Além disso, toda a equipe está fundamentada na humanização, para atender de maneira personalizadas, com acolhimento e empatia as pacientes, proporcionando um ambiente mais confortável e seguro.

 

Cirurgia Robótica – Os benefícios da cirurgia robótica têm sido potencializados através da capacitação de todos os especialistas – compromisso da Rede D’Or São Luiz que, desde 2016, atua com um programa especial de treinamento de robótica para seus cirurgiões, com certificação internacional de qualidade, contribuindo na qualificação dos especialistas, o que resulta em procedimentos mais seguros. Ao todo, 1000 cirurgias robóticas já foram realizadas na Rede D’Or São Luiz, nos hospitais que alocam os seis robôs Da Vinci – modelo mais moderno no Brasil: em São Paulo, no Hospital São Luiz - Unidade Itaim, Hospital São Luiz - Unidade Morumbi, e Hospital e Maternidade Brasil; em Pernambuco, no Hospital Esperança Recife; e no Rio de Janeiro, no Hospital Quinta D’Or e no Hospital CopaStar.

 

Além da ginecologia, outras especialidades operam com esta tecnologia: urologia, cirurgia bariátrica, oncologia, tórax, entre outras. Os hospitais da Rede D’Or São Luiz estão credenciados com a patente Da Vinci Surgery, e todo o procedimento é muito seguro. O braço do robô é o responsável por segurar as pinças introduzidas no paciente para a cirurgia – com total precisão, e quem controla todos os comandos são médicos altamente treinados para a realização da cirurgia robótica.


 

 

 




 

A evolução do câncer de mama e as terapias mais assertivas


Imagem-Internet 


Como a ciência tem evoluído para proporcionar os melhores tratamentos às pacientes

 

Assim como uma mulher nunca é igual a outra, por mais parecida que seja aos nossos olhos, o câncer de mama não é uma doença única. Com a evolução da oncologia, sabemos hoje que existem diferentes subtipos de câncer de mama que se comportam de maneiras distintas, com prognósticos e tratamentos diversos.

 

O câncer de mama é a neoplasia mais comum entre as mulheres em todo mundo. Para este ano, segundo estimativa do Instituto Nacional do Câncer (INCA), serão 57.960 novos casos.  A incidência do câncer de mama é ainda crescente no Brasil por dois motivos: o envelhecimento da nossa população e o desenvolvimento de novas técnicas diagnósticas. Em contra partida, enquanto em países desenvolvidos como os EUA a mortalidade por câncer de mama vem caindo ao longo dos anos, devido aos novos tratamentos e ao diagnóstico precoce, no Brasil, pelo acesso restrito a saúde, a mortalidade ainda vem aumentando.

 

O mais importante no tratamento do câncer de mama hoje é a abordagem multidisciplinar e individualizada para cada paciente. Antes de programar o melhor tratamento, o oncologista deve avaliar qual é o subtipo molecular de câncer de mama daquela paciente, pois somente assim poderá saber se determinado remédio ou procedimento será eficaz em combater a doença. “Esse momento é crucial para termos sucesso no combate a doença, tanto no tratamento curativo, que é a maioria dos casos, quanto no controle da doença avançada, que possibilita a paciente não só viver mais, mas também viver melhor. O entendimento da biologia tumoral e das novas terapias alvo são fundamentais para obter sucesso, e é isso que vai orientar a escolha do tratamento de forma individual para cada caso.”, diz a doutora Maíra Tavares, Oncologista do Grupo da Oncologia Mamária da Clínica AMO - Assistência Multidisciplinar em Oncologia.

 

A quimioterapia, tratamento mais conhecido e mais temido contra o câncer, pode não ser a opção mais assertiva para todas as pacientes. “No câncer de mama metastático receptor hormonal positivo, por exemplo, o principal tratamento é a hormonioterapia, que  é uma terapia alvo muito eficiente, em forma de comprimidos e com poucos efeitos colaterais”, afirma a especialista.

 

A heterogeneidade tumoral tem testado a ciência a todo tempo. A genética vem sendo a maior aliada dos pacientes com câncer, já que identificando as mutações responsáveis pelo crescimento tumoral, ela possibilita o desenvolvimento de novas drogas direcionadas. “A avaliação do DNA tumoral hoje já pode ser feita até por uma amostra de sangue do paciente com câncer metastático, é o que chamamos de "biopsia líquida". Através desta técnica, podemos avaliar quais as mutações presentes naquele tumor e qual a melhor terapia disponível para aquela alteração.”, conclui Dra. Maira.



 



 

 

 

Vacinação contra gripe diminui risco de hospitalização

de pacientes com DPOC


Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia alerta para perigos do vírus Influenza na piora dos quadros respiratórios


A gripe está entre as maiores causas de morbidade e mortalidade em pacientes com doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC), sendo responsável por mais de 35% de todas as pioras agudas da doença[1]. A vacinação contra o vírus influenza é uma das maneiras de prevenir agravamentos por gripe nesse grupo¹.


Segundo Frederico Leon Arrabal Fernandes, coordenador da Comissão de DPOC da Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia, “a vacinação reduz a incidência, as complicações e formas graves da doença e é recomendada a todo portador de doença respiratória crônica”. A imunização contra influenza em pacientes com DPOC pode diminuir até em 52% os casos de internação e 70% da mortalidade[2].


O Ministério da Saúde reconhece a gravidade da gripe em pacientes com DPOC e inclui esse grupo como um dos prioritários no calendário de vacinação contra influenza anualmente[3].



A gripe e a DPOC


Frederico explica que quando um portador de DPOC é infectado pelo vírus Influenza, o epitélio, camada de células que protege as vias respiratórias, inflama-se e pode descamar, diminuindo as defesas do pulmão. Sem conseguir se defender adequadamente, o doente crônico pode desenvolver uma pneumonia.


O médico complementa que, além disso, a gripe pode aumentar também a produção de muco, o que faz a respiração se tornar mais difícil e, em alguns casos, pode evoluir para insuficiência respiratória, fazendo com que o paciente precise de suplementação de oxigênio ou até suporte de ventilação mecânica.


“O principal é saber quando o quadro respiratório é mais grave e precisa de atenção médica. Dificuldade para respirar, febre alta persistente e queda no estado geral são sinais de alerta que justificam a procura de atendimento médico”, alerta Frederico.


A Organização Mundial da Saúde define a DPOC como um “guarda-chuva” de doenças pulmonares crônicas que causam limitações no fluxo de ar pulmonar. A doença afeta mais de 64 milhões de pessoas no mundo e a previsão é que seja a terceira causa de morte mundial até 20304.


Os sintomas mais comuns incluem falta de ar, produção excessiva de expectoração e tosse crônica. A principal causa para a DPOC é o tabagismo, porém a poluição, tanto de ambientes de trabalho como indústrias, como a do ar livre pode levar à doença. Além disso, pessoas que tiveram frequentes infecções respiratórias na infância têm grande chance de desenvolver a doença.  A maioria dos casos, no entanto, pode ser prevenida[4]

 

 

Sanofi

www.sanofipasteur.com ou www.sanofipasteu.

 



[1] Howells CHL, Tyler LE. Prophylatic use of influenza vaccine in patients with chronic bronchitis. Lancet 1961;30:1428-32.

[2] Nichol KL, Baken L, Nelson A. Relation between influenza vaccination and outpatients visits, hospitalization, and mortality in elderly persons with chronic lung disease. Ann Intern Med 1999;130:397-403.

[3] http://www.blog.saude.gov.br/index.php/entenda-o-sus/50930-vacinacao-contra-a-gripe-entenda-se-voce-faz-parte-do-grupo-prioritario

[4] Organização Mundial da Saúde. Chronic obstructive pulmonary disease (COPD). Disponível em: http://www.who.int/respiratory/copd/en/ (acessado em 31/01/2017).

 

 



 

 

 

 

 

Urticária atinge de 15% a 20% das crianças


Doença compromete convívio social e estudos

#semanamundialdealergia

 

As crianças também podem ser vítimas da urticária, que atinge entre 15% e 20% da população infantil. Infecções causadas por vírus, medicamentos (em especial, antibióticos e os anti-inflamatórios) e os alimentos estão entre os principais desencadeadores da doença.

Os sintomas são manchas avermelhadas, algumas com relevo, e que podem se juntar formando placas, que têm duração fugaz e localização variável. Em alguns casos, pode se associar com o angioedema, ou seja, inchaços em locais do corpo como: pálpebras, face, lábios, genitália, entre outros.

O diagnóstico é clínico, ou seja, baseia-se na avaliação feita pelo médico, que leva em conta histórico familiar, exame físico e, se necessário, exames complementares. Não há um teste definitivo para fazer o diagnóstico da urticária.

Embora possam desenvolver a urticária crônica (com duração acima de seis semanas), é a forma aguda, que dura menos de seis semanas, a que mais atinge crianças pequenas e adolescentes.

“Nos casos de urticária crônica predominam as induzidas, ou seja, desencadeadas por estímulos físicos, comprometendo a qualidade de vida, a relação com o meio social, acarretando falta às aulas e prejuízo no aprendizado”, explica a Coordenadora da Comissão Especial de Assuntos Comunitários da Associação Brasileira de Alergia e Imunologia (ASBAI), Dra. Maria de Fátima Epaminondas Emerson.

O tratamento da urticária envolve a identificação e o controle da causa, cuidados cutâneos e o uso de medicamentos, sendo os anti-histamínicos orais (antialérgicos) os de primeira linha para tratar a doença, urticária, uma vez que a histamina atua na redução da coceira e das lesões cutâneas.

“É recomendado o uso de anti-histamínicos de nova geração, que possuem menos efeitos colaterais, não causam sonolência e não interferem no aprendizado escolar. Em alguns casos, recomenda-se o uso destes medicamentos com doses aumentadas, por tempo prolongado, com bons resultados”, comenta Dra. Fátima, que preparou algumas dicas para os pais:

· Sigam as recomendações do alergista. Em alguns casos, os pais ficam temerosos em fazer a dose aumentada do anti-histamínico e não cumprem o prescrito;

· A medicação deve ser feita mesmo sem sintomas;

· Banhos não devem ser quentes nem demorados. A pele está sensível, usem sabonetes suaves. Evitem os sabonetes bactericidas, pois ressecam a pele;

· A pele deve ser hidratada logo após o banho, ainda úmida;

· Crianças devem seguir uma alimentação saudável e natural. Dietas serão indicadas apenas em casos específicos e comprovados;

· Corantes e conservantes não são causas mais comuns de urticária. Cada criança deve receber uma orientação específica para seu caso;

· Evitem medidas ou tratamentos caseiros;

· Urticária não é contagiosa e não "pega".




ASBAI - Associação Brasileira de Alergia e Imunologia

Twitter: @asbai_alergia
Facebook: Asbai Alergia
www.asbai.org.br